pesquisa magos da luz

Pesquisa personalizada
-------------------
Mostrando postagens com marcador 10 curiosidades sobre o sonho. Mostrar todas as postagens
Mostrando postagens com marcador 10 curiosidades sobre o sonho. Mostrar todas as postagens

15 de mai de 2017

Sonhar com acidente

Sonhar com acidente de carro significa que você está mais empenhado em determinada relação do que a outra pessoa. Se alguém se machucou nesse acidente, isso é um lembrete de que ninguém controla a vida alheia. Se a pessoa que ama morreu no sonho, é sinal de que algo dentro de você está desaparecendo.
-->

Inominável (RELATO)

Inominável

Meu tio Sebastião já falecido, me relatou esse fato em 1977 quando eu tinha 6 anos.
Hoje aos 42 eu me lembro bem desse relato que ele ao contar se arrepiava:
" Quando ele tinha 18 anos, trabalhava na região nordeste do país abrindo estradas. O trabalho era exaustivo, iniciava-se às 7 da manhã e somente às 17 horas finalizava-se o turno.
Muito cansado, meu tio chegou em casa onde morava com meu pai e minha tia (irmã mais nova), que se preparava para sair. Meu pai não se encontrava na ocasião. Pediu então que minha tia aquecesse seu jantar enquanto ele tomava banho. Minha tia se negou a fazer o que meu tio pedira, afirmando que estava atrasada para um compromisso deixando as panelas sem aquecer a comida.
Meu tio ficou furioso após a saída de minha tia e começou a xingar vários palavrões e dentre eles aquilo que é contrário à "GRAÇA", ou seja, a "DES..."( não escreverei a palavra toda para que não traga energias ruins para mim e para os possíveis leitores dessa história), após ter dito essa palavra inominável, ouviu-se batidas na porta. Ao abrir ainda furioso, meu tio viu um par de pés grandes que sustentavam pernas longas e finas que passavam da soleira da casa, cobertas por um vestido todo rasgado. A figura se abaixou e encarou meu tio ,o seu rosto lembrava uma anciã muito velha com cabelos desgrenhados , os olhos saltando das órbitas, nariz muito fino e apenas um dente lhe saindo do lábio inferior. Meu tio ainda irritado, perguntou o que ela queria.
A resposta veio também em forma de pergunta acompanhada de uma voz horrível, semelhante (segundo ele mesmo me disse), a três vozes falando ao mesmo tempo:
" Ora Sebastião, você não me chamou agora a pouco!!"
Ele então caiu em si e percebeu o que dissera instantes atrás. Sua espinha gelou e numa fração de segundos lembrou-se de invocar o "Arcanjo Miguel" que o defendesse daquela aparição batendo a porta em seguida e trancando-a. Ajoelhou-se no chão da sala e mais uma vez invocou o "Arcanjo Miguel".
Meu tio afirmava sem nenhum constrangimento que chegou a urinar no momento em que se ajoelhou na sala tamanha foi a situação de medo que passou naquele dia. Os anos que se seguiram , jamais se ouviu da boca de meu tio Sebastião qualquer palavra feia.
por: Wilton Freire
-->

9 de mai de 2017

Trigo Sonhar com Trigo

Sonhar com trigo significa conceitos nobres, como a bondade, a pureza e a prosperidade. Representa os ciclos que estão sempre se renovando a cada tempo nas nossas vidas. Você será uma pessoa bem sucedida.
A história da mitologia grega nos conta que um único grão de trigo foi exposto durante o casamento de Zeus e Deméter. Esta última era uma boa mãe, considerada a deusa da fertilidade, e responsável pelas quatro estações do ano.
Sonhar com trigo então está sempre ligado a esta mesma simbologia de bondade, fartura, prosperidade e das estações, que nada mais são do que os ciclos da nossa vida que se acabam e se renovam de tempos em tempos.


Sonhar com trigo


Nós também precisamos nos renovar, seja nossas ideias, nossos objetivos, ideais, desejos e sonhos. Geralmente utilizamos o final do ano para fazer um balanço do que passou e um planejamento para o ano que está por vir, mas o fato de existirem quatro estações, definidas de três em três meses, nos chama a atenção para que a nossa própria reavaliação de conduta e de navegação seja também feita em tempos mais curtos. Isso evitaria muitas frustrações e nos colocaria em contato com nosso íntimo mais vezes ao longo do ano.


Vejamos a seguir o que os sonhos com trigo nos falam e veja se já não é hora de você também sentar e repensar a sua trajetória.
-->

8 de mai de 2017

Bom,

Depois de um certo tempo alimentando este Blog, percebi a nítida procura das pessoas em tentar se defender ou de fazer magia para prejudicar outras pessoas. Eu pessoalmente já sofri muito com ataques, e tive que aprender a me defender contra esse tipo de coisa.
Mas, defesa não é ataque.
Sendo assim, pedi ao meu amigo Xamã, que conseguiu encontrar um Mestre Vudu no Mundo dos Espíritos que nos ajudasse, a escrever um texto sobre a Magia Vudu.
Lembrem-se, que quando fazemos o mal à alguém, esse mal volta com mais força contra nós.
E para podermos evoluir, é preciso ajudar ao próximo.
Aproveitem a leitura!



“Você me vê, você não me conhece,

Você me vê assim mas você não me conhece,
Abrace este homem, mas tome cuidado com seus dentes!”

- Ponto Vudu cantado de advertência e alerta.

No Mundo Espiritual, em um dia qualquer.

Caminho de dia à beira-mar ao lado de meu amigo Pagu. Reconheço o lugar onde estamos: É uma praia no Haiti, certa vez estive lá com Barão Samedi, ele me contou que lá muitas famílias jogavam seus filhos recém nascidos ao mar por não terem condições de alimentá-los.
Pensei certa vez em procurar na Terra por fatos verídicos do que me foi dito. Mas deixei isso de lado, na verdade não me interessaria descobrir mortes de bebês por afogamento.
Sentei-me no chão, Pagu parou um pouco a minha frente, abriu os braços, fez uma oração em seguida virou-se para mim.

- As praias daqui são maravilhosas não acha?

Acenei com a cabeça que sim.

- Talvez eu peça para retornar ao Haiti em minha próxima reencarnação.

- Isso é sério? Você poderia retornar em um outro lugar longe daqui, deixar de lado essa coisa de magia e vudu um pouco. Viver uma nova vida. Disse a Pagu.

- Ora, você pode ser um branco feio com os cabelos de ouro, mas ainda assim é um Xamã, não é? De que adiantaria uma nova vida totalmente diferente? Uma hora os tambores da magia iam ecoar dentro de mim, e eu voltaria a procurar o Vudu.
Isso é verdade. Uma vida inteira dedicada à magia deixa suas marcas, no corpo e na alma.

- Certo Pagu, o xamanismo faz parte de mim, porém tenho uma vida normal, trabalho, pago contas e na verdade eu gosto disso. Não me agrada pessoas que vivem apenas do misticismo, e ficam julgando que qualquer coisa é uma simbologia besta.

- Um ser mágico pragmático? Há! Diga-me uma coisa: como você se sente quando escuta o som de tambores?

- Meu corpo se arrepia, o coração acelera, e algo dentro de mim desperta.

-Um amante da magia, um ser apaixonado por ela!

- Ah, não força!

-Então o sobrenatural não o encanta mais?

- Gosto de coisas simples.

- Como o quê?

- Como a sua cara quando nós dois discutíamos no Plano Espiritual sobre como livrar o marido de Mulher Gavião do Feitiço Vudu e ela o escutou diretamente, sem intermediários, mesmo estando em planos diferentes.
Risos.

- Sobre o que eu falava com ela mesmo?Relembrou Pagu.

- Você estava dando instruções de como tirar o Vudu do marido dela, feito pela ex-mulher, na hora que você falou sobre ingerir sal ela o escutou e agiu imediatamente.

- Ah sim! Época interessante aquela! Você entrou voando em forma de falcão na minha sala pedindo ajuda, e eu não tinha idéia de que era um humano! Falando na minha sala eu tenho algo pra você, leve-me de volta até o meu escritório!

Com o indicador, risquei um ponto de luz no horizonte, e assim se abriu um Portal. E por ele retornamos para onde minha amizade com o Mestre Vudu começara.
Em sua sala, Mestre Pagu remexeu em meio a manuscritos, derrubando alguns ossos. Chamou seus criados, falou em francês com eles, gritou com todos, depois achou o papel que queria, retornou um sorriso a seus criados depois ordenou que saíssem.

- A linha africana de magia cai bem em você, assentiu Pagu.

- Não me lembro de nenhuma vida na África, respondi com desdém.

- Ah isso não importa! As linhas de magia não estão em você à toa. Agora venha comigo, se nós nos conhecemos por causa do Vudu, nada mais justo que você o entenda melhor.

Assumi a forma de falcão e saltei no ombro de Pagu. Ele leu o pergaminho em voz alta e uma fina névoa nos envolveu tampando toda a visão.
Quando a névoa se dissipa, percebo que estamos em uma floresta. Escuto ao longe negros entoam cânticos, e dançam ao som de tambores.

Tambores.

África.

Pagu começa a falar:
- A mãe África! Vudu, Umbanda, Candomblé, Santeria, tudo pertence à África!
As religiões se transformaram cada uma em uma identidade própria, mas todas têm a sua essência aqui. O povo que você vê é a tribo dos Fon, do reino Daomé. Geralmente associam a eles, os escravos que criaram o Vudu no Haiti. Embora outros povos de etnia Yorubá também façam parte disso. Afinal com o tempo os habitantes já ficavam esperando novas incursões dos brancos para se defenderem. Então os brancos procuravam outros povos que não conheciam os escravizadores para tornar a captura mais fácil. Esta é a última noite de muitos deles, amanhã serão escravizados ou mortos.
Vamos embora daqui.

Mais uma vez névoa a nos cobriu completamente, quando ela baixou vi índios. Era uma viagem no tempo!

- Estes meu amigo, são os ARAUAQUES, explicou Pagu. Viviam no Haiti antes da chegada dos colonizadores brancos. Estes pobres também foram escravizados e mortos pelos brancos, raça desgraçada a sua, sabia? Amanhã os índios terão o mesmo destino dos negros.

Ignorei o comentário, não queria discussão ideológica, somente queria aprender.

Pagu continuou:
- Por fim, estes são os colonizadores: nobres, padres, plebeus etc. Achando que o cristianismo é a única alternativa correta no universo, ignorando o panteão africano e de qualquer lugar do mundo. Os escravos, sejam eles índios ou negros (e até alguns brancos condenados) mesclaram os deuses indígenas e africanos com os santos católicos. Isso se deu tanto como do convívio com os agricultores europeus, como forma de enganar os brancos e se adaptar a seu novo lar forçado, e aqui que as coisas ficam interessantes. De toda essa mistura européia, indígena e africana surgiu o Vudu, algo parecido com os ritos afro-brasileiros como a Umbanda e o Candomblé. Até hoje é dito que 90% dos Haitianos são católicos e 100% são Vudu. Eu digo que é a mais pura verdade.
Todos temem a Deus, e todos acreditam nos Loas.

Na viagem pelo tempo de Pagu, a nuvem se dissipa e mostra a colonização do Haiti: europeus caminham entre negros e índios.


Pagu caminha até uma igreja improvisada em meio a movimentação. Trata-se de uma cabana com bancos de madeira e um altar com santos e uma cruz.

- Como surgiu boa parte dos ritos da magia negra?-Indagou-me Pagu.

- De rituais católicos? –Arrisquei.

-Exato! Pegam o que é santo e transformam em profano! A sagrada cruz fica invertida, as velas brancas para preces a Deus são trocadas por velas negras e vermelhas para pedidos ao diabo! Isso que me dá nojo! Tudo relacionado ao vudu é tratado como magia negra! Quando na verdade Magia Negra veio da Europa praticada por freqüentadores da igreja Cristã que aprenderam seus rituais e depois os perverteram! Muita coisa do vudu mal, cruel, foi passado por europeus brancos praticantes de Magia Negra.

- Sim meu amigo, mas eu não procurei você para lutar contra magia negra, mas sim contra vudu. Tudo tem um lado bom e ruim, disse a Pagu.
Pagu abriu um sorriso de leve.

- Ou se está com Deus ou com o Diabo, não se pode servir aos dois ao mesmo tempo. Você está certo, há o Vudu bom e ruim. No começo o Vudu era um meio dos escravos pedirem proteção, cura de enfermidades e a felicidade em geral de seu povo, sua comunidade, mas como alguém pode ser feliz escravizado? Torturado? Foi aí que o lado mal do Vudu ganhou força. O fato dos ritos ancestrais africanos serem vistos como blasfêmia por seus amos cristãos também ajudou a demonizar o vudu. Então quando os franceses mostraram a magia negra a adeptos do vudu, misturaram energias poderosas com resultados perigosos.

Pagu sentou-se, voei de seu ombro para um banco mais próximo do lado de fora. Vi aquele movimento lá fora pensando que muitos anos se passariam até o Haiti se tornar o que é hoje. Viro-me mais uma vez para observá-lo, então reiniciamos a conversa.

- No Vudu temos os Loas, seriam equivalentes aos Orixás no Brasil, e de fato são bem próximos. A deusa das águas aqui se chama Yemaya, no Brasil, Yemanja, o Xango daqui seria o Xangô brasileiro, Ogu, guerreiro senhor dos metais, como Ogum. Creio que já entendeu.

- Dizem que os Orixás eram humanos que foram elevados a Deuses, refleti.

-Sim, sim, foram grandes reis, sacerdotes, príncipes, caçadores e guerreiros, um panteão maravilhoso que se transmutou para fora da África. Eles são os Rada.

-Quem? Perguntei.

- Nos cultos afro-brasileiros temos os orixás que vieram da África, e dentro desse mesmo culto temos entidades que viviam no Brasil que foram incorporadas as crenças africanas, como o povo da esquerda que você herdou de seu pai, e os boiadeiros que habitam a casa de sua amiga.
Meu pai nunca me dera nada em vida, e na sua morte me deu entidades como Zé Pelintra e Barão Samedi que habitavam meus sonhos quando criança.
Como diz o velho ditado: ”Pobre só herda santo”.
Pagu me interrompeu dos meus pensamentos, me explicando mais uma vez sobre o Vudu:

- Os Rada são o equivalente aos orixás, Deuses que vieram da África. Já as entidades que se incorporaram depois já no Haiti são chamadas de Petros.
Pagu caminhava agora para a beira da praia. Voltei a forma humana e parei de pé na areia :

- E quem seriam os Petros?

- Negros mortos em sua maioria. Alguns com a intenção de fazer justiça, mártires, outros são auxiliados por demônios que escutavam as preces dos vivos que desejavam vingança contra seus senhores, e assim o faziam, e aí que a justiça vira maldade. Para você entender melhor seriam algo como espíritos obsessores na linha do espiritismo Kardecista. O que muitos médicos brancos atribuíam certas moléstias aos insetos e ao clima tropical, às vezes era um outro motivo, invisível a olhos comuns.

-Pagu indicou para o mar- Até mesmo certas tempestades e vendavais que abateram embarcações e destruíram obras construídas por brancos tratavam-se de grupos de Petros atacando em bando.
Petros e Radas são tratados como elementos opostos que fazem parte de um, Petro é o mal, o fogo, Rada é bom, a água. Para os dois cultos há entidades específicas, com seus ritos e deuses.

- Você já viu um Petro? Conhece algum?
O feiticeiro Vudu parou e se ajoelhou próximo a uma poça dágua, olhou para ela, vendo seu reflexo, sua expressão se tornou sombria então seus dedos tocaram a poça, criando ondas e desfigurando a imagem no reflexo.

-Vejo um Petro sempre quando faço vidência na água, conheço muito bem, conheço-o intimamente.

- Você...

- Sim.

Embora eu soubesse que era um poderoso feiticeiro Vudu de nome cristão (Pagu não é seu nome verdadeiro) que havia utilizado seus dons para o mal por muito tempo. Só muito tempo depois de desencarnado se arrependeu de tudo que fez e começou a trabalhar para o Bem.
Pagu nunca falava muito de si próprio, e nunca havia me contado detalhes de seu passado. Na verdade ele nunca tocara no assunto, e por educação e gratidão por ter me ajudado, eu nunca o indaguei a respeito. Agora, inesperadamente, me confessava parte de seu passado sombrio.

Ele parou de mexer na água dando um soco abrupto na areia. Olhou para o mar, e para o sol, sentindo como se Deus nos olhasse. Pagu se ajoelhou e curvou-se, ficamos em silêncio até que ele quebrou o silêncio.

- Antes de ser Petro fui Bokor, a versão sombria de um Hougan.

Houngan.

Barão Samedi havia me chamado assim certa vez. Houngan é no vudu algo como um Xamã, um Mestre Espiritual. Realiza casamentos, feitiços, faz adivinhações, vê o futuro etc.

Na primeira vez que conversei com Pagu ele me disse: “No final somos todos feiticeiros”. E fazia sentido, seja Houngan ou Xamã, são apenas termos diferentes para funções equivalentes.

- Um feiticeiro.

- Sim, filho de Houngan com uma Mambo.

- O que é uma Mambo?

- Uma mulher-feiticeira. Houngan e Mambo são os mestres do Vudu, seriam algo como pai e mãe de santo no Brasil. Meu pai era um bokor, praticante de magia negra. Seqüestrou a mambo mais poderosa que conheceu, a estuprou, e o fruto desse estupro sou eu. Ele nunca me escondeu este fato, dizia que eu já nasci amaldiçoado e que no momento oportuno me daria como presente a algum demônio. Depois que nasci minha mãe foi morta, pois meu pai tinha medo dela. E ele tinha razão, pois ela voltou dos mortos e se vingou dele. Eu fui o instrumento da sua vingança. Em seguida eu a traí, no começo dizia que era por medo de ser o fruto de uma violência, mas a verdade é que eu queria o poder dela, e eu o tomei para mim, dela e de meu pai. Eles são espíritos gêmeos. No Vudu eles são chamados de Marassa, eles reencarnaram para acertar suas dívidas. Mas a mim foi negado isso, eu me pergunto se ainda mereço redenção depois de tudo que fiz.

Ouvir tudo aquilo era como levar um soco na cara. Tentava assimilar aquilo tudo e dizer algo ao mesmo tempo, mas o momento me dizia para ficar em silêncio.

- Depois que morri, havia um demônio que me acompanhava. No começo ele se passava por um Hougou, um espírito da guerra e dizia estar comigo para me ajudar na justiça contra meus inimigos e inimigos de meu povo. Depois seu jeito foi mudando, assim como eu e a palavra justiça nunca mais surgiu de sua boca. Só falava em vingança, e o pior era que eu gostava. Quanto mais mal eu praticava, mais parecido com ele eu ficava. Disforme e violento.

- Pagu, você não precisa...

- Estou falando do mal! Conheça-o para combatê-lo! Agora continue me escutando!

A linha africana mantém padrões comuns mesmo em lugares diferentes do mundo. Sempre haverá os sacrifícios animais, as oferendas, sempre entregues em locais como encruzilhadas, florestas e rios.
O fato consumado com o catolicismo também é importante, pois santos católicos podem intervir na proteção de uma pessoa, aliado ao poder de um Rada, se dá uma forte proteção. Eis um dos motivos para boa parte das famílias haitianas adeptas do vudu, exigirem um batismo cristão para seus filhos. Um haitiano é 90% cristão e 100% vudu.

- Muitas pessoas viam os negros mortos cercando as casas de seus antigos senhores, e mesmo os brancos desencarnados tinham medo de sair de suas casas, mesmo depois de mortos. Pediam inutilmente ajuda aos vivos, que se assustavam ao vê-los. Muitos Houngans se aproveitavam disso e sumiam com os corpos, começava aí as lendas sobre os zumbis.

- Então Zumbis não existem? São apenas lendas?

- Não exatamente. Há várias maneiras de se criar um zumbi. Essa maneira de sumir com os corpos enquanto as almas perambulam pela terra tem seu sentido. De posse do corpo a alma que ainda se apega a ele se torna escrava do Houngan. O sal é recomendado nesse caso justamente por ser um poderoso antídoto. Corpo e alma são limpos, feito isso o espírito é liberto, o mestre perde poder sobre seu escravo. Eu mesmo costurava a boca dos corpos que possuía.

- Então basta apenas ter o corpo?

- Sim, embora muitas famílias se protejam para evitar que seus familiares mortos se tornem zumbis.

-Como?

-Apelam para seu velho amigo: Barão Samedi. Colocam comida sobre o túmulo do morto, pão e café que ele adora, e a oferecem ao Barão, ele por sua vez retribui cuidando do morto, com isso o Houngan fica impedido de violar o corpo e tomá-lo como zumbi. Alguns demônios mais poderosos podem fazer um acordo com o Barão para que ele deixe a tumba ser violada, mas são casos raros e negociações complexas. Geralmente são corpos de figuras importantes, como Papa Doc que até hoje tem guardas humanos vigiando sua tumba para evitar a violação do corpo. Mas fora isso, NINGUÉM ousa desafiar o Barão, com exceção de você, que foi estúpido o suficiente para tentar agredi-lo aquela vez.

Não gostava dos deboches dele, mas dada a situação era bom ver o velho Pagu que conhecia de volta. Não via seu sorriso quase cínico, de habitual, mas por um instante o homem sombrio que fora no passado. E agora ele dera lugar momentaneamente ao feiticeiro arrependido, que tenta redimir de seus pecados trilhando o caminho da luz.

- Então não há zumbis vagando por aí em sua forma física?

- Não como aparecem naqueles filmes estúpidos. Existem processos bem apurados de tortura física, psicológica, e ervas usadas em poções que podem gerar traumas severos a mente de um ser humano. Assim o levando a um estado de demência facilmente confundindo a pessoa afetada com um zumbi. Como em muitos casos o processo leva tempo, muitas das vítimas acabam sendo dadas como mortas, então seu súbito retorno em um estado senil levam-nas a acreditar nas lendas de zumbis e a temerem os Houngan.

- Eu pensei que os Houngan eram como os Xamãs.

- E são, há quem use seus dons para o bem e outros para o mal.

- Até agora não o vi falando bem de um Houngan.

- Eu cresci cercado de feiticeiros poderosos mas cruéis. Segui pelo mesmo caminho, então não espere que as primeiras palavras que saiam da minha boca sejam de elogios aos Houngan. Mas se quer saber, sim, há Houngans que praticam o bem. Infelizmente só os conheci depois de morto. São exigentes e disciplinados, sem eles não sei se conseguiria.

- O que fizeram para endireitar você?

- Me mostraram o mal que causei, depois me fizeram sentir toda dor que causei. Depois disso enlouqueci, e aos poucos fui recobrando a sanidade. Meus guias especificavam horários, roupas, orações, locais, tudo devia ser na hora certa com a roupa certa. Isso tudo havia antes, claro, para o bem ou para o mal na magia deve haver comprometimento. Mas as entidades, as energias que me cercam agora, são tão diferentes, tão boas, poderosas e eu as desprezava, achava que sua compaixão era pena. Como fui tolo.
Pagu virou-se e olhou demoradamente para sua ilha.

- Sabe o que significa a palavra Haiti?

- Não.

- País montanhoso. Os espanhóis quando invadiram meu país deram a ele o nome de ilha Hispanõla. Quase eliminaram os índios por completo. Durante as grandes navegações, os piratas usavam a ilha como ponto de interceptação de navios. Um ótimo ponto estratégico. Não foi à toa que Espanha e França se mataram pelo controle desta ilha, embora nunca tenham perguntado aos nativos o que eles achavam disso tudo. Malditos.

- Já que estamos falando de nomes, o que significa a palavra vudu?

- Muitas coisas, em cada língua uma coisa diferente, mas em cada uma pode-se achar a essência do vudu. Na África vudu seria um termo para santo no reino do Daome, já na França os europeus trouxeram o voudoise, uma variante da bruxaria européia. Os negros falavam sobre algo santo para protegê-los, e os europeus entendiam que se tratava de vingança, de causar o mal, o que reflete bem o caráter do vudu: sagrado e maldito ao mesmo tempo.

Nisso, uma cobra negra surge do chão. Por reflexo me transformo em falcão e tento saltar com as garras em cima da cobra. Mas Pagu se mete no meio, então dei uma volta no ar e parei em pé na forma humana. Era óbvio que ele esperava por aquele animal.

- Levei muito tempo para fazê-la, foi um trabalho cansativo mas valeu a pena, não estrague tudo agora.-disse.

A cobra ergueu-se até chegar a sua mão. Pagu a segurou pela cabeça, então ela se tornou rígida, como uma bengala, o feiticeiro a analisou, sorriu, então bateu com sua ponta no chão, então aos poucos o lugar aonde estávamos desaparecia e um outro lugar ia se formando.

- Bom meu caro amigo, venha, precisamos continuar nossa viagem.

E com um bater de bengala, a paisagem ao nosso redor muda até surgir de novo a casa de Pagu. Estamos em sua sala de estudos, livros, caveiras, ossos, pergaminhos e demais objetos.

Sentamos-nos em sua sala um de frente para o outro com cerca de 3 metros de distância. Seus criados trouxeram rum (que ele adora e eu aprendi a gostar com ele), e olhei para a caveira na qual havia pousado aquele dia. Como se soubesse o que estava pensando, Pagu interveio:

- Naquele dia que você veio até mim, senti que você era um Xamã. Mas também pensei que você fosse um feiticeiro da seita Zandor.


- Quem?

- Já falei sobre os ritos Rada e Petro, mas o rito Zandor é o rito mais secreto do vudu, tão pouco conhecido que chega a ser tratado como lenda por alguns, só falo dele aqui em minha casa. O máximo que posso lhe dizer é que os mestres Zandor podem se transformar em animais assim como você. Até aí nada demais, trata-se apenas de manipulação da forma espiritual, truque simples depois de alguns anos no Mundo Espiritual. O que chama atenção é que em vida podem incorporar os espíritos da natureza, das feras, o que lhes gerou as lendas de serem capazes de abandonarem sua forma humana e se tornarem animais. Já pensou incorporar uma criatura selvagem? Perguntou pagu.

- Você é um feiticeiro Zandor também?Indaguei.

- Não, o conhecimento deles eu arranquei de um Zandor à força. Primeiro exigi que me fizesse seu discípulo, quando ele se recusou, eu o seqüestrei e torturei por meses até arrancar tudo que podia dele. Por fim, arranquei sua cabeça.

Enquanto falava, a bengala de Pagu voltava a ser uma cobra. Ela subiu lentamente no sofá de seu mestre e ficou na parte mais alta, olhando para o lado. Pagu continuou:

- O encontrei depois do meu tratamento, aos poucos fui sendo seu discípulo, dessa vez por vontade dele, ainda assim não me intitulo de Zandor, ainda não sou digno.

Um dos criados de Pagu veio até mim, deu-me um livreto marrom.

- Era seguramente literatura medieval: os desenhos, o papel, lembrava os manuscritos de mestre Valmont. Parecia um manual, com anotações em francês e ilustrações de demônios, pessoas deitadas cruzes etc.

- Isto é parte da história. Nos campos repletos de escravos e brancos circulavam literaturas como essas. Literalmente manuais de instruções com práticas de proteção contra doenças, ou de como causá-las. Estas pequenas obras vulgarizavam a medicina e a magia, acabaram sendo transmitidas oralmente como crendice popular, neste processo muito da essência se perdeu.

Maurice, um dos criados de Pagu (um dos mais estúpidos diga-se de passagem, chamado “carinhosamente” por seu mestre de “Burrice”) começou a mexer com a cobra negra sob a cabeça de seu mestre. Em francês Pagu ordenou que parasse, então Maurice se ajoelhou e ficou quieto. Enquanto outro criado (François, creio eu, ainda não decorei o nome de todos) surgiu com outra garrafa de rum, levando a vazia.

Nisso Maurice acenou novamente para a cobra, brincando com ela. A cobra num salto brusco, mordeu o infeliz no rosto, e então os dois caíram rolando no chão. Pagu os ignorou, e simplesmente continuou a conversa enquanto Maurice gritava e rolava com a cobra lhe mordendo fortemente o nariz:

- Embora seja uma linha poderosa de magia o vudu está perdendo força, sua essência.

Eu ainda não conseguia tirar os olhos da cobra e de Maurice no chão, mas ainda assim Pagu não se movia em relação ao caso.

- Ahn, você acha? Respondi retornando ao assunto.

- Sim, infelizmente por força das autoridades do mundo físico o vudu tem ganhado uma roupagem mais leve, muitos aspectos dele estão sendo deixados de lado para agradar os brancos. Eles invadem meu país há séculos, o violam como uma puta desgraçada, mas sugerem que o cristianismo deva ser implementado em todo Haiti. Eu estive nessas reuniões de reconstrução do país. Há militares brancos, líderes católicos, protestantes, até anglicanos, mas não há nenhum líder vudu nessa comissão. Ainda assim, Deus tem um plano certo? E eu prometi não praticar o mal novamente.

- Pagu, sua cobra...

- Sim, sim, já entendi.

E com um estalar de dedos de seu mestre, a cobra se tornou madeira novamente, caindo rígida no chão.

- “Burrice” levantou-se com o rosto inchado, ainda assim sorriu pra mim, ergueu a bengala e a entregou a seu mestre, por fim, saiu curvando-se da sala.

- Vamos passear um pouco, está na hora de conhecer os detalhes dos rituais do vudu.

“Eis os recém nascidos dos espíritos,
Ei-los aqui!
Observe os recém nascidos que vão ser consagrados,
Eis os recém nascidos dos espíritos!”

- Canto Vudu de iniciação

Com sua bengala Pagu fez com fossemos levados a outro lugar, um templo, semelhante a um terreiro de umbanda/candomblé. Haviam pessoas lá, um local a céu aberto, todos unidos em um círculo, vestidos de branco, ao redor de um tronco colocado propositalmente no centro.
Eu já havia estado em um ritual vudu em New Orleans, agora tinha certeza que estava no Haiti.

- Estamos no Perisltyle, seria o equivalente ao terreiro de candomblé. O tronco que está vendo é o Polo Mitan, é por ele onde descem os espíritos.

- Nunca vi um tronco no meio de um terreiro.

- Porque você sempre freqüentou terreiros de Umbanda, o vudu é mais próximo do Candomblé, lá você verá um tronco.

Batidas de tambor, algo dentro de mim desperta, Pagu percebe.

-Ah! Nada como a batida primitiva dos tambores não é cabelos dourados? Venha aqui, veja: os panos presos ao tronco. São convites aos espíritos, as cores agradam a cada entidade, de acordo com a linha do praticante. Os seguidores do vudu são chamados de vodouisant.

- Estes, disse pagu apontando dois jovens- são housins, os iniciados, as roupas brancas não são apenas parte do ritual, mas também uma referência as roupas usadas pelos negros escravos. O ritual que vemos hoje é o ritual Mambo.


Vejo pessoas dançando, bebendo rum, por fim um dos dançarinos incorpora uma entidade. Ela prontamente recebe uma galinha, não sei se está viva ou morta, ainda assim a entidade não parece se importar: arranca um pedaço dela com uma mordida, mastiga e abraça o Hougan, depois recebe rum dele e caminha ao redor do Polo Mita sendo saudado pelos fiéis. A cena é impossível de não ser comparada a um terreiro no Brasil.

- Uma vodouisant parece me ver, ela dança ao meu redor, seus olhos arregalados, então diz “Diable”. O diabo. E visto o que os brancos fizeram ao seu povo ela não está tão errada.

Depois outra mulher recebe um cesto, tira de lá uma cobra, coloca-a próxima ao rosto, então quando ela é tocada pela cobra parece entrar em transe. Pagu volta a falar:

- Segundo a lenda vudu, os primeiros homens criados eram cegos então a serpente Damballah deu a visão à espécie humana. No ritual é dado a ela visão especial e poderes sobrenaturais.

- Devemos ir, não quero irritar as entidades que estão vindo, e nem devemos atrapalhar o rito.

Ele estava certo, partimos.
Estamos agora em uma casa simples, também pode ser facilmente confundida com as favelas do Brasil. Um homem reza, usa roupas de padre, parece estar se preparando para uma missa.

- Este é um père,é um padre-vudu. Ele fez o seminário católico mas, não se tornou padre, são muito comuns no Haiti.

Então ele sai de sua casa, caminha para fora, aonde pessoas o esperam, um casal traz uma criança no colo, há uma mesa que serve de altar improvisado, com um pote e uma caixa no chão.


O padre entoa cânticos, então em um determinado momento passa um cordão na cintura da criança, pega um líquido pastoso de dentro do pote e passa no bebê. Em seguida tira da caixa que estava no chão uma carcaça de um animal morto, seu estado de decomposição é tamanho que não consigo identificar que animal era.

- É um batismo vudu, o cordão é mágico, pra protegê-lo, o líquido são baratas espremidas, como se fosse uma cola, e a carcaça de burro é colocada como armadura, agora o padre entoa que isso é tão nojento que as mulheres vampiras não vão desejar a criança.

Ficamos assistindo o ritual, aproveito que não podem nos ver e pergunto:

- Todos haitianos fazem isso?

- Pode-se dizer que sim, até os que negam fazem. Sempre foi assim em toda história do Haiti. Meu país foi o primeiro da América latina a se declarar independente, isso foi em 1804. Meio milhão de negros e mulatos revoltosos sob o comando de Toussaint L’Ouverture! Mas infelizmente só queriam ser uma nova França, queriam ser a mesma coisa que seus senhores, estar no lugar deles, então usaram o mesmo discurso dos brancos: “Vudu é um atraso no Haiti.” Dá pra acreditar nos próprios negros rejeitando o vudu? Pelo menos o discurso era esse, em suas casas de estilo europeu continuavam a praticá-lo, mas o negavam publicamente.
Queriam ser europeus. Vai ver por isso deu tão errado. Em 1806 o Haiti perdeu seu líder e ex-escravo Jean-Jaques Dessalines, foi deposto e morto, um castigo por negarem sua origem.

O Haiti ficou separado por líderes em pontos isolados do país até Jean-Pierre Boyer unificar o país em 1820. Só na década de 20 com a chegada dos americanos, os Haitianos voltaram a procurar sua identidade e olhar para seu passado africano, e o vudu voltou a ser pregado orgulhosamente como religião, embora em 1940 houvesse forte campanha contra a prática do vudu. Até por fim ser reconhecido em 1987 na constituição, do mesmo modo que o crioulo, a língua vinda da mistura do idioma indígena africano e francês. Quase um vudu falado.
Está entendendo?

- Sim, mas não conhecia nenhum dos nomes que citou, mas não escutei você falar no Papa Doc.

Ah sim! François Duvallier, o Papa Doc! Ele só começou sua ditadura em 1957, dizia ter entidades do Vudu a seu serviço, e falava para qualquer um ouvir que o assassinato de Kennedy foi encomendada por ele em um terreiro vudu. Sabia como causar medo, não é à toa que ficou no comando até a morte, em 1971. É uma das carcaças podres mais desejadas do vudu. Eu mesmo ia adorar um pedaço do seu cadáver! Aliás, vamos visitar sua tumba!

Antes que pudesse protestar já estávamos de frente para a tumba. Um pouco longe dela, mas dava para entender o motivo: haviam seres disformes próximos a tumba, como se esperassem alguém se aproximar, então apenas observei mais uma vez.

É uma tumba com uma espécia de pirâmide na frente com escadas laterais, em cima há uma porta em forma de cruz e uma placa com dizeres que da distância que estava parecia ser o nome verdadeiro de Papa Doc.

- Sabe, você é vivo e anda no espiritual, podíamos bolar um plano e você me conseguiria um pedaço do Papa, o que me diz?

Olhei para Pagu, que imediatamente entendeu que minha reposta era um claro “NÃO.”

- Tudo bem, não custava perguntar certo? Já que estamos aqui deixe-me mostrar mais coisas.
Vê os demais túmulos? No vudu temos duas almas: Gros bon ange o “grande anjo bom”. Seria o nosso corpo astral, que sai do corpo enquanto se dorme ou em transe. A segunda alma chama-se Petit bon ange o “pequeno anjo bom”. Essa alma protege e guia o adepto. Quando a pessoa morre, ela permanece por alguns dias guardando o corpo. Após nove dias depois do enterro, é realizado um ritual para afastá-la. O petit bon ange depois de partir se transforma em algum objeto ou animal, geralmente uma grande serpente e após a transformação deve-se continuar os rituais de sacrifícios e cerimônias dos parentes. Se por algum motivo a família do morto não continuar com os ritos fúnebres, a vingança da petit bon ange se voltará contra eles.

Pagu pegou uma porção de terra então me mostrou.

- Terra de cemitério! Quem quer fazer mal a alguém tem de vir a meia noite com oferendas, depois pegar um punhado de terra e espalhá-la por onde o alvo do vudu andar. Também usa-se pedra de túmulos, elas servem como um alvo, geralmente são jogadas nas portas e janelas da casa da vítima, então ela começa a adoecer e ter problemas na sua vida. Este é um exemplo de vudu feito por bokors.

-E como se proteger? Pergunto.

-Se você tem uma fé, um credo muito forte as chances de ser afetado são poucas, ainda assim se perceber algum sintoma estranho é bom procurar ajuda médica depois espiritual. Banhos de arruda e sal grosso do pescoço pra baixo ajudam, e sempre de noite pelo menos uma vez por semana beba água com sal antes de dormir, isso limpa o corpo e o vudu perde força.
No caso de crianças, limpe a casa e o quarto aonde elas dormem, passe também arruda e sal grosso no chão, troque sempre as roupas de cama e queime ou urine sob qualquer coisas suspeita ou que não existia antes e surgiu do nada. Há quem coloque feitiços em roupas e brinquedos, o mesmo destino eles devem ter: urina ou fogo, melhor ainda os dois.
Ah sim, vampiras adoram cabelos molhados, recém limpos, crianças não devem dormir nunca de cabelo molhado, nem andar na rua com o cabelo molhado por volta das 6 horas, é o período de transição entre dia e noite, muitas criaturas da noite estão despertando, inclusive as vampiras.

Pagu andou mais um pouco então mostrou um osso.

- Ossos! Outra poderosa ferramenta vudu! Usada muito para adivinhação, assim como os búzios!

- Porque ossos e não cartas por exemplo?

- Porque ossos fazem parte de um ser vivo! Ossos falam igual seus donos! Para adivinhações simples pode-se usar ossos de animais pequenos, como galinhas, para adivinhações mais poderosas pode-se acrescentar ossos de feiticeiros mortos, e até de bebês mortos sem um batismo, chamamos estas crianças de zumbis lutins que captam poderes com facilidade.

-Então é só juntar ossos e pronto?

- Nâo, deve-se consagrar os ossos e pedir iluminação a sua entidade protetora, isso serve para qualquer prática vudu, seja qual for. Você deve sempre dispor de um horário pré determinado, e se comprometer com este horário ao culto vudu, usar vestes rituais, de preferência branco, então só depois de entrar em sintonia, deve-se começar as práticas mágicas.

O mestre vudu subiu em um túmulo, e começou a falar mais alto, vi que próximo de nós se agrupavam algumas pessoas, provavelmente mortas. Tanto eu quanto ele não nos importamos, ele continuava:
Para a realização de uma boa magia necessitamos meditar e ter uma boa concentração, só assim entramos em sintonia com as energias mágicas, e só assim poderemos dosar a quantidade de magia envolvida no feitiço. Só através desses passos que desenvolveremos a DISCIPLINA necessária para mexer com o vudu, a disciplina nos limita ao que importa, a nos concentrarmos na magia, nos abster de sexo e comer somente o necessário, uma vez ao meio dia outra a meia noite, de resto apenas água.
Alguém despreparado pode acabar matando a si mesmo pois ao desejar o mal para alguém este mal retornará muito pior a ele.

Só assim poderemos ter contato com espíritos antigos, como os espíritos guias da família que ficam por perto dos parentes por gerações, enquanto alguns outros espíritos podem até sugerir matrimônio com um vivo, se for realizado o casamento um vodousaint incorpora a entidade, por fim o père realiza o casamento. Após se casar com um espírito, o praticante deve respeitar seu desejo e passar um dos dias da semana sozinho, sem sair com ninguém.

Além disso há dias meses e horas favoráveis para a prática, e é aqui que entra parte da herança européia, tanto pra o bem quanto para o mal. Alguns conceitos da cabala foram trazidos para o vudu, para a criação de proteção por exemplo utiliza-se os anjos cabalísticos, então é criado um escudo mágico através de um ritual, aonde se desenha no chão um círculo com o nome do anjo dentre outras coisas.

- Ossos, cabala, zumbis, o que mais se usa no vudu? Ah sim, tem o boneco vudu também!

Risos.

- Achei que não ia perguntar do boneco.

Algumas pessoas se aproximaram mais ainda, uma delas tentou me morder, então dei um salto para trás e me transformei em cobra.
Imediatamente surgiram gritos, e o cemitério em instantes ficou vazio como se todas as almas de lá sumissem.

- Serpente estúpida!-gritou Pagu- você espantou minha platéia!

- Sua platéia tentou me morder!

- Ah sim ai você resolve se transformar em Damballah! Nem se fosse o Barão os infelizes iam sentir tanto medo!

- Sou uma naja!

- A porcaria de uma cobra se transformando na frente deles vai ser sempre na sua mentalidade a serpente Damballah!

- Desculpe mas eu não vou ser mordido por um morto-vivo!
Pagu abaixou a cabeça, desolado. Desceu do túmulo, enfim bateu com seu cajado no chão. Voltamos para sua casa, eu ainda na forma de naja.

- Um dos criados nos esperava com duas garrafas de rum em uma bandeja, mas ao me ver derrubou tudo e se jogou no chão.

- Damballah! Ó grande Damballah!

Pagu visivelmente irritado gritou com o criado por ter quebrado as garrafas, depois virou-se para mim e “educadamente” pediu que voltasse a forma humana.

- Chega de serpente, maldição! Você pode voltar a sua forma branca e feia?

Ri com aquilo e retornei a forma humana.

Nos sentamos, ficamos em silêncio, acabamos rindo de tudo que tinha acontecido, por fim retomamos o assunto:

- Aonde tínhamos parado cabelo dourado?

- Materiais de vudu, bonecos.

-Ah sim sim, venha!

Caminhamos até a sala de estudos de Pagu, por fim uma porta se abriu no meio de uma das paredes; entramos por ela.
Havia uma mesa com pregos, e um desenho rústico na parede.

- Pregos! Muito bons também no vudu. Metal é um elemento poderoso. Na época da colônia e depois quando o Haiti era dividido por líderes em pontos diferentes, os Hougans colocavam pregos nas pegadas dos líderes pra afetá-los. Você viu também o uso de animais, mas são usados além de seus restos mortais, saliva, leite e outras coisas. Ah sim, aqui!

Havia em suas mãos um boneco. Um boneco vudu!

-Eis aqui um boneco vudu! Bom, diferente do que se diz, um boneco no começo era usado para o bem, para proteção da pessoa, era uma maneira de canalizar energia para o alvo, e também de confundir os espíritos que desejavam atacar a pessoa feita no boneco vudu. Era como por um sósia e ele atacar o sósia, mantendo o original a salvo. Mas, infelizmente o mesmo valia para o mal, então os bonecos começaram a ser usados para canalizar energia negativa para o alvo.

-De que é feito esse boneco Pagu?


- Cera, o melhor material sempre é cera ou pano, madeira também, mas varia do tipo, depois se mistura no boneco cabelo, unhas e coisas pessoais da vítima. Quanto mais próxima a semelhança melhor. Hoje em dia usam fotografias da vítima. Enfim, com isso há uma seqüência de agulhas que incorporam no processo de acordo com a ordem para o bem ou para o mal. Usa-se 9 agulhas, sangue de galinha para por o nome da pessoa, terra de cemitério, e como disse vestes pessoais da vitima além de cabelo, unhas etc.

- Ainda lutamos contra essas coisas ocasionalmente.

- Faça o que fizemos daquela vez, água com sal, e o resto que já lhe disse.

- Preciso ir meu amigo.

- Tudo bem, depois você aprende mais.

Então o abracei e agradeci pelo conhecimento. Sentei-me na poltrona, e devagar fui dormindo, para acordar no mundo dos vivos, e durante a viagem lembrei da última vez que fomos lutar contra o vudu.

Pagu entrara na casa de mulher gavião através de um portal feito por mim, olhamos para a casa, para ela e vimos que estava tudo relativamente bem, ela dormia em paz, mas estávamos preocupados com algum outro feitiço lançado por alguém. Pagu riu e disse “Escute e aprenda.” Por fim começou uma oração e suas mãos negras brilharam como um raio de sol.

- Deus todo-poderoso, faça com que os espíritos malignos e nocivos se afastem daqui por todos os séculos, amém. A cruz é minha glória e minha defesa, é meu estandarte e apoio, afaste de mim todas as armas cortantes de meu caminho. Todos os perigos, todas as doenças, todas as maldades, nos envolva em Seu manto protetor, amén.
Ri por um instante, embora a situação fosse séria.

- Qual é a graça cabelo dourado?

- Ela não gosta do cristianismo.

- Bom, faz parte do Vudu. Agora uma prece a São Lourenço:
“Lourenço resista. Eis o anjo que aparece à sua frente, São Lourenço, AMPASITOT, TOUVIOUS COTE SOUCOTE, AMÉM ZIDOR, POMMATIETHU, POMMONAUTO, proteja esta mulher, por nosso senhor Jesus Cristo”.

Saímos da casa, Pagu jogou ossos no chão, então fez desenhos no chão e entoou mais cânticos.

- Agora está tudo bem. Disse por fim.

Então eu acordei, mas sabia que nada fica bem para sempre. Nem ficará, o santo e o maldito sempre estarão a nossa espreita.

Considerações finais sobre a Prática do Vudu:

NÃO FAÇAM O MAL


Muitas pessoas julgam estar em dificuldades por causa de terceiros e se julgam na razão de utilizar recursos como a magia para causar dor para outras pessoas. Algumas vezes por inveja outras por vingança, querem que seu alvo sofra tanto ou mais do que elas, sendo que não se sabe o que foi feito no passado, então antes de atribuir seus males a outros, pense no motivo de estar sofrendo sem se fazer de vítima. Um dos maiores defeitos do ser humano é culpar a todos, menos a si mesmos.
Então cuidado antes de culpar a Deus por um ente querido que foi morto, pois em outra vida você pode ter assassinado uma outra pessoa, causando igual sofrimento a família da vítima, motivo pelo qual você está sendo punido agora e sentindo a mesma dor que inflingiu. E NUNCA será esquecido o mal que você fez, seja por vingança ou por inveja.
Na frente de Deus Ele não vai acreditar em suas tolas palavras.

Como se defender de vudu:

Beber água com sal várias vezes ao dia;

Banho de arruda e sal grosso do pescoço para baixo, depois do banho de asseio;

Limpar a casa com água e arruda e jogar sal grosso nos cantos da casa, entradas e saídas;

Acender vela e pedir proteção ao Anjo da Guarda e Santos protetores.
fonte
-->

Sonhar com vaca

Sonhar com vaca significa presságio de coisas boas no futuro. A vaca é um símbolo de avanço, crescimento, bonança. Seus significados estão diretamente atrelados aos momentos bons que o futuro te reserva, com possibilidades de ganhar dinheiro.Resultado de imagem para sonha com vaca
Sonhar com vaca significa presságio de coisas boas no futuro. A vaca é um símbolo de avanço, crescimento, bonança. Seus significados estão diretamente atrelados aos momentos bons que o futuro te reserva, com possibilidades de ganhar dinheiro.
Prosperidade, fartura e progresso, eis o presságio para quem sonha que vê vacas em sonho. Se, em sonho, você era dono de muitas vacas, saiba que o futuro lhe reserva os melhores momentos junto à sua família. Ver uma vaca amamentando um bezerro é certeza de nascimento em família; e, se você ou outra pessoa ordenhava uma vaca, saiba que pessoa muito próxima lhe dará grandes alegrias. Se, em sonho, você vendia ou comprava vaca é presságio positivo para os negócios e finanças. Vacas soltas no pasto é prenúncio de que conseguirá se libertar de alguém que a atormenta e aprisiona.

VACA ANIMAL SAGRADO

SAIBA POR QUE A VAC Vacas circulam livremente nas cidades da Índia. Entenda o por quê?


Resultado de imagem para VACA ANIMAL SAGRADONa Índia, a vaca é considerada um animal sagrado, responsável pela renovação. Ela seria o animal que transportava o deus Shiva e controlava seus impulsos.


Essa crença vem do hinduísmo, considerada a religião mais antiga existente, antecedento até os registros históricos.

Resultado de imagem para VACA ANIMAL SAGRADO
Shiva é o deus mais conhecidos entre nós Ocidentais, e ele, para os indianos, é responsável pela renovação e pela transformação.


E não pense que apenas a vaca é considerada sagrada. Entre os animais considerados sacros pelos indianos está o rato. Pois ele seria quem transportava o deus Ganesh, primeiro filho de Shiva e considerado o deus da sabedoria e do intelecto.


Abaixo uma representação do deus Shiva acompanhado da vaca.
Fonte:http://ciencis.blogspot.com/

 
Um dos motivos é que, para os praticantes do hinduísmo, religião que predomina na Índia, a vaca é considerada um animal perfeito, pois existe desde a época do paraíso, chamado de Satyuga. Há várias lendas contando que Krishna, o príncipe da Satyuga, tinha uma vaca de estimação. Como ela é dócil, também se acredita que o animal seja uma expressão de espiritualidade. Segundo os hinduístas, a vaca representa o último estágio na escala das encarnações. O animal também tem uma grande importância social. Como 80% da população é vegetariana, o leite é muito importante na dieta e está na base da culinária dos hindus.

Fontes: Consulado geral da Índia em São Paulo e Luciana Ferraz, da associação Brahama Ku

Então por que a vaca é sagrada na Índia?


A tradição nasceu com o hinduísmo. Os Vedas, coletânea de textos religiosos de cerca de 1500 a.C., comentam a fertilidade do animal e o associam a várias divindades. Outra escritura hinduísta fundamental, o Manusmriti, compilado por volta do século I a.C., também enfatiza a importância da vaca para o homem. Nos séculos seguintes, foram criadas leis elevando gradualmente o status religioso bovino. No sistema de castas que ainda vigora na sociedade indiana, a vaca é considerada mais "pura" até do que os brâmanes (indivíduos pertencentes à casta mais elevada, dos sacerdotes) - por isso, não pode ser morta nem ferida e tem passe livre para circular pelas ruas sem ser incomodada. O leite do animal, sua urina e até mesmo suas fezes são utilizados em rituais de purificação.
A adoração, no entanto, não é unanimidade entre os hindus e suscita debates inflamados no país. Em seu livro The Myth of Holy Cow ("O Mito da Vaca Sagrada", sem tradução para o português), o historiador indiano Dwijendra Narayan Jha, da Universidade de Délhi, sustenta a tese de que o hábito de comer carne era bastante comum na sociedade hindu primitiva e condena o "fundamentalismo em torno da santificação do animal", imposto pelos principais grupos religiosos da Índia. Estes mesmos grupos, é claro, baniram o livro e recomendaram que os exemplares à venda fossem queimados. Ainda mais depois que o autor confessou o hábito de comer um filé mal passado de vez em quando.
 

A É UM ANIMAL SAGRADO NA ÍNDIA

-->

3 de mai de 2017

Comunicando-se com o cliente KRISTI AYERS

Comunicando-se com o cliente

KRISTI AYERS
DA INSIGHT PARANORMAL INVESTIGATIONS

Comunicação, simples quanto parece, é um processo complexo entre o transmissor e o recipiente, que é premeditada, intencional, analítica e até mesmo física. Perguntas e  respostas podem engrandecer uma conversa se conscientemente planejadas.

Há fatores que influenciam uma conversa, começando pelo ambiente. O local da interação pode ser instrumental em transmitir a sinceridade ou importância na comunicação. É bom estar sentado ao nível dos olhos num local que não é barulhento, quente/frio demais, e tem privacidade adequada para que o cliente sinta como se pudesse expor seus pensamentos e sentimentos. Para uma criança que têm uma experiência paranormal, você pode querer abaixar ao seu nível e talvez se certificar que eles têm um item de conforto, como um brinquedo.

A atitude determina como alguém responde ao outro e inclui seus preconceitos, experiências passadas e níveis de abertura e aceitação. A atitude de uma pessoa na direção do paranormal pode não corresponder à de outro e precisa ser levada em consideração.

Diferenças de conhecimento podem criar uma deficiência no entendimento entre o transmissor e o recipiente. É importante explicar qualquer terminologia que o recipiente possa não entender.

A percepção é uma experiência subjetiva individual que influencia como sua mensagem é transmitida. Um cliente amedrontado que teve uma experiência que tem que explicar e momentaneamente reviver pode ser doloroso.

Cada pessoa tem uma zona de conforto e limite de espaço pessoal que invisivelmente o rodeia quando interage com outros. Ambas as partes precisam se sentir confortáveis para que a comunicação ocorra com sucesso.

O estado físico, mental e emocional de uma pessoa precisa ser avaliada. Se um cliente tem ansiedade, medo, depressão, um transtorno mental ou mesmo uma simples dor de cabeça no momento da entrevista, a comunicação pode ser dificultada. Pensamentos racionais podem ser bloqueados e a pessoa pode ficar irritada, em pânico ou reprimida.

Isso leva a ganhar a confiança, que é construída quando o investigador não parece mecânico, mas, em vez disso, responde com sinceridade e genuinidade. Dar consideração positiva se refere a respeitar o cliente dirigir-se ao cliente pelo seu nome preferido, validar os sentimentos do cliente, não ser crítico e expressar apropriadamente emoção e respostas sobre eventos que afetam o cliente. Quando apropriado, mostrar empatia pode ajudar, identificando-se com o modo como a outra pessoa se sente, mas permanecendo objetivo o suficiente para trabalhar na direção de resultados ou objetivos positivos.

Muitos teoristas da comunicação acreditam que a comunicação não verbal é a parte mais integral de uma mensagem. Ela inclui expressões faciais, movimentos corporais e das mãos, e sons auditivos não verbais. Esses sons auditivos chamam-se paralinguagem e consiste de suspiros, risadas, etc. Comportamento não verbal é mais revelador que comunicação verbal e compõe cerca de 90% da comunicação. É importante estar ciente de seus próprios maneirismos tanto quanto as pistas corporais do cliente. Uma postura caída com olhos baixos podem indicar uma pessoa que se sente abatida. Uma postura fechada com braços cruzados e sobrancelhas desenhadas podem indicar irritabilidade. Finalmente, a aparência comunica não verbalmente uma imagem particular tanto quanto o estado mental. Ela revela como uma pessoa quer ser vista pelos outros.

Há questionamentos e técnicas de resposta que melhoram a comunicação, tais como perguntas em aberto. Isso o permite ao cliente algum controle sobre os tópicos discutidos que resultam em respostas mais reveladoras e mais completas. O silêncio é uma ferramenta de comunicação útil e significativa para dar ao cliente tempo para se sentir confortável e responder quando estiver pronto. O silêncio também é conhecido como escuta ativa. O cliente pode estar explorando sentimentos e conversa interromperia esses pensamentos. Reafirmar, também uma técnica de escuta ativa, é repetir o que o cliente diz para mostrar entendimento. Sequenciar perguntas é usado para pôr eventos em ordem cronológica e investigar uma possível relação de causa e efeito entre eventos.

Também é importante estar ciente de perguntas e comentários que podem bloquear a comunicação. Evite usar perguntas que precisem apenas de respostas sim/não, usar a palavra "por que", perguntas aprofundadas ou pessoais demais, e usar perguntas direcionadas porque elas podem levar o cliente a dar uma resposta para agradar o investigador. Respostas ineficazes que entrava a comunicação podem incluir julgamento, oferecer falso resseguro, interpretação prematura, o foco em si mesmo e mudar de assunto rápido demais.

Recursos
  • Taylor, Carol, Carol Lillis, and Priscilla LeMone. Fundamentals of Nursing: The Art and Science of Nursing Care. 3rd edition. Philadelphia: Lippincott, 1997.
  • Fortinash, Katherine, Patricia Holoday-Worret. Psychiatric Mental Health Nursing. St. Louis: Mosby, 1996.
Fonte: EYE ON INsight, Volume 1, Ed. 2, 18 de abril de 2008
-->

2 de mai de 2017

Sinais que Mostram que sua Casa Pode ser Assombrada

Os sinais de uma assombração

O primeiro passo é determinar, da melhor maneira possível, se você tem realmente um caso legítimo de assombração. Nem todas as assombrações são iguais, e elas podem apresentar uma variedade de fenômenos. Algumas assombrações apresentam um fenômeno único - como uma porta abrir e fechar repetidamente -, enquanto outros consistem em muitos fenômenos diferentes, que vão desde barulhos estranhos a aparições.

Aqui está uma lista parcial dos fenômenos que podem indicar que sua casa é assombrada:

Fenômenos Leves

- Ruídos inexplicáveis: passos, batidas, sons de algo que está sendo arrastado. Às vezes, esses ruídos podem ser sutis e outras vezes eles podem ser bastante altos.

- Portas e armários abrindo e fechando: na maioria das vezes, esses fenômenos não são vistos diretamente. O experimentador ou ouve os sons distintos das portas abrindo e fechando ou ao retornar ao cômodo encontra uma porta aberta ou fechada, quando você está certo de que a porta estava na posição oposta. Às vezes, mobiliário, como cadeiras de cozinha, parecem que foram movidas (lembra da cena do filme Poltergeist?). Muito raramente o experimentador realmente testemunha o fenômeno ocorrendo.

- Luzes acendendo e apagando: da mesma forma, esses eventos raramente são vistos ocorrendo, mas poderá perceber que as luzes foram ligadas ou desligadas quando você sabe que elas não estavam assim. Isso também pode acontecer com TVs, rádios e outros itens movidos a eletricidade.

- Itens que desaparecem e reaparecem: esse fenômeno apelidado de "efeito Dopler" (DOP do inglês = Disappearing Object Phenomenon) ou "the borrowers" (significa algo como "Aqueles que pegam emprestado") é bastante comum de ocorrer. É quando você não encontra um item usado regularmente - por exemplo, o seu molho de chaves do carro - que deveria estar no local que você deixa rotineiramente, mas não estão e você olha de cima em baixo e não encontra. Algum tempo depois, as chaves são encontradas - exatamente no lugar que você normalmente as deixa... É como se o objeto fosse emprestado por alguém ou alguma coisa por um curto período de tempo e depois fosse devolvido. Às vezes, ficam desaparecidos por dias ou semanas e você tem de apelar para o São Longuinho :)

- Sombras inexplicáveis: o avistamento de formas e sombras, geralmente vistas com o canto dos olhos. Muitas vezes, as sombras têm formas vagamente humanas, enquanto outras vezes, são menos distinguíveis.

- Comportamento animal estranho: um cão, gato ou outro animal de estimação tem um comportamento estranho. Os cães podem latir para algo invisível, encolher-se sem razão aparente ou se recusar a entrar em uma sala que normalmente entram. Gatos podem parecer estar "assistindo" algo atravessar um quarto. Os animais têm sentidos mais aguçados do que os seres humanos, e muitos pesquisadores acreditam que suas habilidades psíquicas podem ser mais apuradas.

- Sentimentos de estar sendo observado: isso não é um sentimento incomum e pode ser atribuído a muitas coisas, mas poderia ter uma fonte paranormal se o sentimento ocorre de forma consistente em uma parte específica da casa e em um determinado momento.

Essas são algumas das experiências mais comuns encontradas em casas assombradas. No entanto, coisas ainda mais estranhas podem acontecer ...


Fenômenos Fortes

Os fenômenos abaixo são mais raros, mas poderiam ser a mais forte evidência de uma assombração:

- Fenômenos psicocinéticos leves: Ouvir uma porta abrir ou fechar é uma coisa. Ver isso acontecer é outra. Da mesma forma, observar uma luz ligar ou desligar sozinha é maior prova de que algo inexplicável está acontecendo. Você vê a TV ou o rádio ligar? Talvez você esteja presente quando um brinquedo de criança começa a funcionar por conta própria. Algumas pessoas relatam que quando estão na cama, podem sentir e/ou ouvir algo sentar nela!

- Sentimentos de ser tocado: a sensação de estar sendo observado é uma coisa,  mas a de ser tocado é outra. Algumas pessoas sentem algo passar por elas, algo tocar seu cabelo ou "uma mão" no ombro. Alguns sentem um suave empurrão, ou mesmo são sutilmente empurrados ou deslocados.

- Gritos e sussurros: vozes abafadas, sussurros e choro podem ser ouvidos. Às vezes, ouve-se uma música de uma fonte desconhecida. As pessoas ouvem seus nomes sendo ditos. Esse fenômeno ganha mais credibilidade se mais de uma pessoa ouve ou vê a mesma coisa ao mesmo tempo.

- Pontos frios ou quentes: pontos frios são clássicos sintomas de lugares assombrados, e qualquer variação perceptível na temperatura sem causa discernível pode ser uma evidência.

- Cheiros Inexplicáveis: a fragrância distinta de um perfume ou colônia que você não tem em sua casa. Esse fenômeno vem e vai, sem qualquer causa aparente e pode acompanhar outros fenômenos, como sombras, vozes ou fenômenos psicocinéticos. Odores desagradáveis ​​podem acontecer da mesma forma.

Sentir alguém te tocando pode indicar que sua casa é assombrada.
Fenômenos Extremos

Mais raros ainda são os fenômenos mais extremos, alguns dos quais foram chamados fenômenos poltergeist, e pode ser uma evidência bem forte de uma verdadeira assombração:

- Mover ou levitar objetos (fenômenos psicocinéticos graves): pratos de jantar deslizando sobre a mesa; fotos voando pelas paredes, portas batendo com muita força, móveis deslizando pelo chão.

- Agressão física: arranhões, tapas e fortes empurrões. Esse tipo de ataque pessoal é extremamente raro, mas, obviamente, altamente perturbador.

- Outra evidência física: escritas inexplicáveis em papel ​​ou paredes; impressões de mãos e pegadas.

- Aparições: manifestação física de um espírito ou entidade. Esses fenômenos também são muito raros e podem assumir muitas formas: névoas de forma humana ou névoas de alguma forma indistinguível; formas humanas transparentes que desaparecem rapidamente, e mais raramente, formas humanas que parecem tão reais e sólidas como qualquer pessoa viva, mas que desaparecem do nada.

Lendo os fenômenos acima, você acha que sua casa é assombrada? Quais fenômenos presenciou? Escreva nas opiniões e ajude outras pessoas a saber que  fenômenos sobrenaturais não acontecem somente com elas...
-->

27 de abr de 2017

Eutanásia

envie seu relato sobrenatural ou pergunta piresvale@gmail.com os relatos serão divulgado aqui A eutanásia é o ato em que um indivíduo, em situação de sofrimento constante por um mal ou doença incurável, escolhe cessar sua própria vida.

A eutanásia é definida como a conduta pela qual se traz a um paciente em estado terminal, ou portador de enfermidade incurável que esteja em sofrimento constante, uma morte rápida e sem dor. É prevista em lei, no Brasil, como crime de homicídio.
Entre as formas dessa prática existe a diferenciação entre eutanásia ativa, quando há assistência ou a participação de terceiro – quando uma pessoa mata intencionalmente o enfermo por meio de artifício que force o cessar das atividades vitais do paciente - e a eutanásia passiva, também conhecida como ortotanásia (morte corretaorto: certo, thanatos: morte), na qual se consiste em não realizar procedimentos de ressuscitação ou de procedimentos que tenham como fim único o prolongamento da vida, como medicamentos voltados para a ressuscitação do enfermo ou máquinas de suporte vital como a ventilação artificial, que remediariam momentaneamente a causa da morte do paciente e não consistiriam propriamente em tratamento da enfermidade ou do sofrimento do paciente, servindo apenas para prolongar a vida biológica e, consequentemente, o sofrimento.
A literatura que trata desse tema é ainda escassa no Brasil, uma vez que o tema é um tabu e geralmente associado ao suicídio assistido. No entanto, aqueles que advogam a favor da “boa morte”, como é referida por estes, a diferenciação do suicídio assistido com o argumento de que a ortotanásia, ou eutanásia passiva, nada mais é que permitir que o indivíduo em estado terminal, portador de doença incurável e que demonstre desejo conscientemente, possa passar pela experiência da morte de forma “digna e sem sofrimento desnecessário”, sem a utilização de métodos invasivos para a prolongação da vida biológica e do sofrimento humano. Uma morte natural.
A eutanásia não é um dilema recente, trata-se de uma discussão que permeia a história humana por tratar de um tema tão complexo e sensível: a escolha individual da vida pela vida, ou o direito a escolher quando o sofrimento ou a dor pode se tornar uma justificativa tangível para que se busque a morte como meio de alívio.
A eutanásia é um direito legalmente previsto em alguns países como a Holanda e a Bélgica, nos casos para pacientes terminais ou portadores de doenças incuráveis que acarretam em sofrimento físico e emocional para o paciente e seus familiares. Em outros países, no entanto, é possível que o paciente faça o requerimento legal de não haver tentativa de ressuscitação no caso de parada crítica de órgãos. É importante destacar que a eutanásia é um ato de vontade própria e individual do enfermo, quando em estado de plena consciência, que garante a esse a escolha entre cessar seu sofrimento em vida ou continuar lutando. Este é o principal ponto da discussão sobre o direito de escolha individual à vida: a liberdade do sujeito que sofre em determinar se sua vivência é justificada seja pelas suas crenças, vontade individual, ou por simples compaixão por aqueles que seriam atingidos pela sua morte.
No Brasil, a eutanásia é um crime previsto em lei como assassinato, no entanto, existe um atenuante que é verificado no caso do ato ter sido realizado a pedido da vítima e tendo em vista o alívio de um sofrimento latente e inevitável, que reduz a pena para a reclusão de 3 a 6 anos.
Os debates sobre o assunto são geralmente encabeçados por membros de organizações religiosas, que argumentam que a vida é uma dádiva divina sobre a qual nenhum ser humano tem direito ou o poder de voluntariamente cessá-la, e por alguns profissionais da saúde que argumentam que as enfermidades que acarretam em sofrimento prologando seriam reduzidas caso os governantes investissem mais em formas de assistência de saúde de maior qualidade. Aqueles que lutam pela sua legalização se pautam no direito da escolha individual, independente de crença religiosa, no que diz respeito à sua própria vida, tendo sempre em vista a dignidade humana e o direito de acabar com o sofrimento quando não existe outra alternativa.
Um dos maiores defensores da eutanásia, o médico Jack Kevorkian, assistiu a mais de 130 doentes terminais em suas mortes *
Um dos maiores defensores da eutanásia, o médico Jack Kevorkian, assistiu a mais de 130 doentes terminais em suas mortes *
O assunto é incrivelmente complexo e possui vários lados a serem vistos, para isso é importante que ele seja exposto de forma compreensível para todos. Filmes que tratam sobre a eutanásia são uma boa fonte de informação. Um deles é o filme Você não conhece o Jack (You don't know Jack – 2010) que conta a história real de Jack Kervokian, um médico que realizava a eutanásia para pacientes em estado terminal e em sofrimento agudo.
A vida, a morte e o sofrimento humano são sempre assuntos complexos e difíceis de serem tratados. Entretanto, essa é uma realidade a qual todos estamos sujeitos.
*Créditos da imagem: Dfree / Shutterstock.com

Por Lucas Oliveira
Graduado em Sociologia
-->

Eutanásia documentario completo




-->

$00.00
Descriptions…

21 de abr de 2017

A VERDADEIRA HISTÓRIA DE CHARLIE CHARLIE

Aparentemente, o “Charlie Charlie challenge” é um simples passatempo

para curiosos interessados numa prévia do futuro. O jogo, porém,

incursiona no âmbito misterioso do ocultismo e flerta de fato com o

sobrenatural e imprevisível. Os vídeos postados na internet mostram

jovens que, ao verem o lápis se movendo sozinho, saem gritando

aterrorizados. O fato é que o ritual, que parece simplório, consiste em

evocar um espírito misterioso, que, uma vez chamado, estabelece uma

relação com os participantes. E não é nada claro se essa relação se

encerrará de maneira feliz e fácil.



envie seu relato sobrenatural ou pergunta piresvale@gmail.comos relatos serão divulgado aqui
-->

Brincadeira de "Charlie Charlie" .. jogo demoniaco

Invocando o espírito de Charlie: um exorcista nos alerta para não brincar com fogo!



Considerações importantes sobre o fenômeno ocultista que se tornou viral em todo o mundoCharlie Charlie challenge" (“Desafio do Charlie
Charlie”) precisou de poucas horas para se tornar uma febre entre os
jovens de todo o mundo e se transformar em um fenômeno viral no Twitter,
no Facebook, no WhatsApp e em outras mídias sociais. Basicamente,
trata-se de invocar a presença de um espírito chamado "Charlie" para
consultá-lo sobre o futuro. Usa-se uma folha de papel, na qual estão
escritas as palavras "sim" e "não", e dois lápis posicionados em forma
de cruz no centro da folha. Quando se faz uma pergunta, como "Charlie,
Charlie, vou passar na prova?", o espírito se manifesta movendo a ponta
do lápis para o "sim" ou para o "não".

Têm sido apresentadas diversas explicações possíveis para o
fenômeno: a força da gravidade, o vento, a força da sugestão. O fato, no
entanto, é que parece não haver truques, nem vento, nem ímãs sob a
mesa, nem fios transparentes, nem ilusões de ótica. Além disso, a enorme
quantidade de vídeos amadores publicados na internet em dezenas e
dezenas de países torna difícil pensar que todo o mundo esteja fazendo,
em poucas horas e ao mesmo tempo, ótimos trabalhos de edição digital.

 



-->

$00.00
Descriptions…

Jogo ou ritual ocultista?

Aparentemente, o “Charlie Charlie challenge” é um simples passatempo
para curiosos interessados numa prévia do futuro. O jogo, porém,
incursiona no âmbito misterioso do ocultismo e flerta de fato com o
sobrenatural e imprevisível. Os vídeos postados na internet mostram
jovens que, ao verem o lápis se movendo sozinho, saem gritando
aterrorizados. O fato é que o ritual, que parece simplório, consiste em
evocar um espírito misterioso, que, uma vez chamado, estabelece uma
relação com os participantes. E não é nada claro se essa relação se
encerrará de maneira feliz e fácil.

Fenômeno de mídia

Os jornais norte-americanos abriram grandes e destacados espaços
para o "Charlie Charlie challenge" – o fenômeno surgiu justamente nos
Estados Unidos. Veículos de mídia de amplíssimo alcance, como o
Huffington Post, o Washington Post, a BBC e outras respeitáveis agências
de notícias ​​o descreveram com detalhadas “instruções de uso”. É
compreensível que os jornais se comportem como redes sociais nesta época
de caça selvagem aos cliques dos internautas, mas, ao divulgar uma
prática ocultista sem qualquer crítica ou análise das possíveis
consequências, eles contribuem e incentivam a disseminação de um ritual
que brinca com fogo.

A origem do ritual: o México não está envolvido

Chegou-se a dizer que as raízes deste ritual estão numa antiga
tradição mexicana relacionada com um demônio chamado Charlie, mas esta
tese parece infundada. María Elena Navez, correspondente mexicana da
BBC, desmentiu a ligação entre Charlie e a mitologia mexicana, em cujas
histórias não há nenhum demônio chamado "Carlitos" (Charlie em
espanhol). As divindades dos povos ancestrais mexicanos têm nomes
astecas ou maias como Tlaltecuhtli ou Tezcatlipoca. Nada a ver com
Carlitos.

É mais provável que o rito tenha derivado do "juego de las
lapiceras", relativamente comum em países da América do Sul e conhecido
pejorativamente como “a Ouija dos pobres”. O propósito do "jogo das
canetas" é o mesmo do “desafio Charlie Charlie”: obter respostas do além
sobre o futuro; o rito também é igual; desta vez, porém, o espírito
invocado tem nome próprio. E a origem desse nome ainda é desconhecida.

A hipótese Charlie Hebdo

Houve também quem achasse curioso o retorno do nome “Charlie” às
manchetes de todo o mundo poucos meses depois dos atentados de janeiro
contra a sede do jornal satírico Charlie Hebdo, em Paris. O ato
terrorista de ressonância mundial levou às ruas o lema "Je suis
Charlie", como gesto de solidariedade para com as vítimas. A imagem do
lápis ou da caneta, como símbolo da liberdade de expressão dos
cartunistas satíricos, também se tornou o ícone daquela manifestação
mundial de solidariedade. A relação entre lápis ou canetas com um
espírito chamado Charlie é, de fato, curiosa, mas não há clareza alguma
sobre a vinculação entre o jogo ocultista e o fenômeno de massas que
correu o mundo em janeiro.

17 de abr de 2017

Fantástico mostra áudio que jovem do Acre conta que conseguia sair do pr...

Edição do dia 16/04/2017
16/04/2017 21h36 - Atualizado em 16/04/2017 21h36
Em áudio, jovem do Acre conta que conseguia sair do próprio corpo; ouça
Reportagem
do Fantástico traça um perfil bem detalhado desse estudante de
psicologia que continua desaparecido, em um mistério que intriga o
Brasil todo.
FACEBOOK
Bruno Borges, o jovem do Acre, continua
desaparecido, e o Fantástico vem acompanhando esse mistério desde o
início. Na reportagem acima, ouça um áudio inédito, no qual Bruno conta
que conseguia sair do próprio corpo! Veja ainda um perfil bem detalhado
desse estudante de psicologia
que intriga o Brasil

envie seu relato sobrenatural ou pergunta piresvale@gmail.comos relatos serão divulgado aqui
-->

Como fazer seu espelho mágico

envie seu relato sobrenatural ou pergunta piresvale@gmail.com os relatos serão divulgado aqui

Como fazer seu espelho mágico

                                             
                                                           Espelho Mágico


Toda bruxa tem o seu espelho mágico.

Os primeiros espelhos eram os lagos. Num dia tranqüilo, quando as águas não formam ondas, pode-se observar um reflexo bastante detalhado. 

Na tentativa de capturar esse fenômeno, poliam-se pedras e metais até que, por fim, produziu-se o vidro que, quando revestido em um dos lados com uma fina camada de prata, produzia uma superfície reflexiva perfeita – um lago perfeitamente cristalino, “congelado” para ser usado quando desejado.

Espelhos (e superfícies reflexivas) há muito dominam nossa imaginação. Há diversas referências a espelhos no folclore, assim como na magia, se bem que tais práticas estão quase que esquecidas hoje.

O simbolismo do espelho é simples e ao mesmo tempo complexo. É considerado sagrado à lua, pois, como a lua reflete a luz do sol, o espelho é um objeto reflexivo. Sendo um símbolo lunar, os espelhos utilizados em magia são geralmente de forma redonda.

Além disso, os espelhos nos permitem ver coisas que não poderíamos ver seu sua ajuda – não apenas as coisas físicas, mas também coisas mais elevadas, como as memórias de vidas passadas, visões do futuro, ou de eventos ocorrendo simultaneamente em outros locais.

A magia com espelhos provavelmente teve seu apogeu durante a Grécia Clássica e em Roma. Espelhos polidos de bronze eram utilizados em rituais de magia e cosméticos. A maioria desses espelhos era pequena e usada com as mãos.

Uma antiga técnica para induzir clarividência é refletir a luz de uma fogueira na lâmina brilhante de uma espada ou faca; o reflexo assim apanhado causava visões a quem nela se concentrava. Esta é apenas mais uma forma de magia com espelhos metálicos.

Apesar de práticas como essa ainda serem utilizadas, a maioria das práticas de magia com espelhos atualmente é feita com espelhos de vidro. Espelhos antigos não são necessariamente melhores, pois tendem a possuir imperfeições (como a perda da folha de prata), o que pode interferir. Muitas vidraçarias cortam espelhos sob medida, portanto não é impossível obter aqueles redondos.

Para rituais rápidos, pode-se até mesmo utilizar um espelho de bolso, se bem que isso é muito mais fácil para mulheres. Muitos encantamentos foram lançados enquanto uma mulher fingia retocar sua maquiagem.

Lembre-se sempre de que o espelho é uma simples ferramenta, um elo com a lua, com seu subconsciente, e por fim com a própria Natureza.

A magia costuma ser espontânea, e você deve estar preparado praticamente para tudo.

Veja como fazer o seu :

Obtenha um espelho redondo com diâmetro entre 35 cm e 70 cm. De preferência, deve estar acoplado a uma moldura também redonda, pintada de preto, mas isso não é fundamental.

Após obtê-lo, leve-o para casa e lave-o cuidadosamente com água. Se desejar, lave a seguir com uma infusão de artemísia, uma colher de chá para cada xícara de água. Deixe esfriar antes de usar.

Quando o espelho estiver seco, cubra sua face com um pano preto e deixe-o onde não seja tocado, até a lua cheia. Nessa noite, exponha o espelho aos raios da lua de preferência ao ar livre – pode ser pela janela, se necessário. Carregue o espelho mágico com o luar e diga as palavras abaixo ou semelhantes:

"Senhora da Lua,

Você que a tudo vê e tudo sabe,

Eu consagro este espelho com seus raios brilhantes

Para que ilumine minha magia e minha vida."

Traga o para dentro e pendure-o na parede leste de seu quarto, ou na sala onde pratique magia. Mantenha-o coberto quando não estiver sendo utilizado.

Exponha o espelho à lua ao menos três vezes por ano. Quando estiver empoeirado (se ficar), lave-o com uma infusão de Artemísia ou água limpa. Nunca utilize sprays à base de amônia para limpar seu espelho, pois a amônia destrói qualquer magia!

Se desejar, pode utilizar um tipo “psíquico” de óleo (como de cravo ou de noz-moscada) para desenhar um crescente na parte de trás, marcando-o assim com o símbolo da lua.

Nunca use o espelho para outras coisas que não a magia. Reserve outro espelho para uso rotineiro.
Poderá também gostar de:
-->

Formulário de contato

Nome

E-mail *

Mensagem *

Marcadores

Follow by Email

Recent Posts

Postagens populares

Minha lista de blogs